"Lugar da existência indivisível.
Qual é a linha que separa a parte de dentro da de fora, o estampido das rodas do uivo dos lobos?"

_In: Ítalo Calvino; As Cidades Invisíveis.

domingo, 17 de setembro de 2017

ferida no colo | do útero


a médica disse que cicatrizaria com medicação
que a pele se re| formaria
que a lesão cessaria

será isso?

o tal colo parece contrair |se incansavelmente
repuxa |se de maneira obstinada, contorce |se
agora mesmo, enquanto escrevo

e me pergunto

será a contr|ação
o movimento da pele se refazendo
ou é a ferida reexistindo de tempo em tempo






_____________________________

Aline, 

domingo, 10 de setembro de 2017

penia


dos males
o pior.

das humilhações
a maior.

dos buracos
o mais profundo
ou o mais, sem fundo.

fecha-se os olhos fantasiando
que ao dormir o abismo cessará

ilusão.
a realidade atravessa pálpebras
o sono tem roteiro agudo, pesadelo. sem fim
como o buraco que é viver. às vezes. muitas vezes.





Fotografia: ©Tomek Dyczewski



















Aline, 10/09/2017.
______________________________________

domingo, 3 de setembro de 2017

c o r t e s


às vezes é tranquiliza|dor dar um corte
ver a vida jorrar

noutras só é possível deixar |se
cortar

e conceber com
o tempo

que a poda | prepara o broto




Fotografia: Edward Weston,
Nude, Santa Monica, 1936
























________________________________
Aline, 03/09/2017.

quarta-feira, 30 de agosto de 2017

cartografias do amor


há os que situam o amor no peito
e o vivem como pulsação

há os que o situam na cabeça
e o fazem com razão

há, ainda, aqueles para os quais o amor
é vagar. sem habitação
amor adiante

e há os que o recebem como ocupação
e s p a r r a m a d o no corpo todo

para estes, amantes
de corpo-inteiro
se o amor parte, o corpo seca




Fotografia: © Paul Apal'kin

























Aline, 30/08/2017.

domingo, 20 de agosto de 2017

razão do amor descontinuado



primeiro a gente se envolve
depois a gente se des
envolve


.











______________________________________

Aline, 20/08/2017.

sexta-feira, 18 de agosto de 2017

transbordâncias


fatigada de ter que ter 
saber o saber

razão rasões

e a vida
broto
tem  começo

o Amor
?

tem não?


.
.
.




Aline, 18/08/2017.

quinta-feira, 17 de agosto de 2017

A ve !


às aves pertencem os céus e os vôos
pelo menos àquelas que possuem mais levezas

mas há outras: pesadas, de voos baixos e que sonham ninhos
fazem a si próprias um ninho
(mesmo sabendo que o tempo de preenchimento será menor que um inverno -
antes da primavera a casca já estará vazia)

para estas o céu é mais miragem e menos plano de vôo

elas tecem versos
fracos
em meio a penas poá
andam para todo lado
voam às vezes
mas retornam sempre à mesma árvore ao fim
(do dia)

quiçá, ao mesmo galho



 _O senhor sabe: o perigo que é viver... **
[...] O amor? Pássaro que põe ovos de ferro. ***


Fotografia: © Hengki Koentjoro
























** *** João Guimarães Rosa, em Grande Sertão: Veredas.
___________________________________

Aline, 17/08/2017.

sábado, 12 de agosto de 2017

espelhos quebrados


sete anos de azar?
ou só o fim de um reflexo?

uma coisa é certa
é inútil tentar colar

pois cola-se o vidro
e a imagem retorna trincada
incompleta

part/ida



Fotografia: © Paul Apal'kin







Aline, 11/08/2017.
________________________________________

sexta-feira, 28 de julho de 2017

ideal


um pouco mais
promessa

ali adiante além mais alguém
de toda forma

cabe o tudo
o sem fim sem limites

o belo
horizonte.

mas em si
nada
coisa nenhuma

quiçá, aquém.



Fotografia: François Visser



















_Aline, 28/07/2017.

terça-feira, 25 de julho de 2017

buraco__


o hiato

entre o pensamento
a palavra e o corpo
da palavra


_no tempo

Fotografia:  Un autre jour pour mourir
Carole Declercq 






_Aline, 25/07/2017.
_______________________________________________

sexta-feira, 30 de junho de 2017

l u t o


a dolorosa consciência de que às vezes as coisas são só
o que são
nada
além

às vezes acabam mesmo antes de terem um começo
marcado
às vezes o começo era só o silêncio, mesmo

tem coisa que nasce do silêncio
e morre em silêncio
e a gente mal nota

tem coisa que nem nasce, morre na semente
e essa coisa também é expressão da vida

das muitas vidas que temos e vivemos
e geramos e
às vezes nem percebemos

porque viver também é dis|trair-se

e é assim
frágil
q u e b r á v e l

meio
sem fim

e ainda assim vale a pena



Fotografia: Anderson Mendonça






_Aline, 30/06/2017.
| para o Thayson e para as mães sobreviventes
que nos ajudaram nessa travessia para formarmos |



**Escrito a partir do trabalho realizado em estágio junto a um grupo de mães que perderam filhos.

quarta-feira, 28 de junho de 2017

pretérito(im)perfeito


o engodo de querer reviver o não
vivido
é que repete-se aí
em ato
o equívoco de estar presente
na ausência

no momento que se vive
só se estará
no futuro
quando este também já terá sido
passado

e aí sim
será possível revivê-lo
no sem fim
do tempo virtual

numa infindável conjugal ação do que poderia ter sido
e não foi



Fotografia: Marc Krüger























_Aline, 28/06/2017.

quarta-feira, 21 de junho de 2017

Striptease


fizemos como mais fazemos: desnudamos-nos
, sem que de nós caísse uma única peça de roupa sequer

ardíamos
, congelados em corpos trancados

tentamos dormir
mas não havia lugar na cama. tampouco no sono
agonizei silenciosamente, perdida no silêncio
dele
contida em meu próprio corpo

depois
, feito criança eufórica, vomitei
ao breve contato com sua pele. foi preciso recuar

desistir. voltar às trancas

até ser tocada pelo som da sua voz
suada
misturada à memória vívida da sua língua percorrendo a minha

.
o dia já ia claro. era preciso acordar.



























_Aline, 21/06/2017.

sexta-feira, 16 de junho de 2017

Corpo colapso


rinite
sinusite
gastrite
congestão nasal

excesso de ar que vira asfixia

peito fechado
garganta contraída

coceira generalizada

febre

olhos apertados
respiração branquial

.
.


.

¿ para que tantas defesas em um corpo só


Fotografia: Diego Masarotti






_Aline, 16/06/2017.

terça-feira, 13 de junho de 2017

Tosse:


vento que irrompe do peito cheio
e atravessa a garganta
ainda inflamada

tentando jogar para fora o que persiste da vida
mal curada

quase atira o próprio peito
com a força do seu ímpeto

em vão
não tem cura
a vida  nem o peito

a tosse, talvez



Fotografia: Jane Evelyn Atwood




_Aline, 13/06/2017.